Quinta-feira, 26 de Julho de 2007

Adicto (uma confusão)

- “Onde é que vais, homem?”
- “Vou ali ao kiosko sujar as mãos”

A partir do 2º dia passei a frequentar diariamente o kiosko e, quase 2 anos depois de o ter feito pela última vez, voltei a comprar jornais. Ignorei os diários de referência e dediquei-me de corpo e alma aos desportivos, como já não o fazia há muito tempo. Passei a controlar os treinos bidiários dos 3 grandes, as aquisições do Esposende ou do Odivelas e os amigáveis do Trofense, Feirense e Olivais e Moscavide, e sem nunca perder pitada das pedaladas de Sergio Paulinho no alcance do 87º classificado da Volta à França em Esteróid... em bicicleta. Ao 4º dia cansei-me da silly season desportiva portuguesa e virei-me para a prensa espanhola. Desfolhei a Marca em minuto e meio e ofereci-a a um hermano mais necessitado.
Ao 5º dia, preparado para comprar o Publico, sou informado pela proprietária que, apesar de diariamente lhe sobrarem imensos exemplares, nesse dia um grupo de portugueses terá levado o regime “tudo incluido” desde o hotel até ao kiosko. Apesar de não ter vendido nenhum, já não havia Publico na banca*. Abandono de mãos vazias, mas as mãos vazias obrigam-me a regressar 1 minuto depois. Hesito entre a Visão mais o Especial Algarve típico deste época e a Sábado mais o Especial Algarve típico desta época. Levo a Bola.
Ao 6º dia, um cartaz manuscrito colado à registadora chama-me a atenção. Num espanhol que passo a traduzir, lê-se o seguinte: “Agradecemos a devolução dos jornais depois de os ter lido, para posterior reciclagem”. Pois, eu também faço a entrega dos jornais aos meus clientes, montado na bicicleta, mesmo quando chove a potes, porque sou amigo de peito do ambiente. Mira la xica espierta!

* À hora do regresso de férias, a 110 metros barreiras de casa (o caminho está em obras), um tal de Solitário é apanhado pela PJ antes de assaltar a banca, naquilo que para mim não foi mais que uma vingança encomendada pela proprietária do kiosko. Dias depois, uma nova tentativa de roubo por parte dos espanhóis, desta vez bem sucedida, impediu um tal de Simão Sabrosa de vestir de cor-de-rosa.
publicado por ardinario às 16:50
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.ardinario

RSS

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links