Segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

O 11 DE SETEMBRO DOS QUIOSQUES

Quinta-feira, 11 de Setembro de 2014, passa a ser o dia em que o 11 de Setembro dos quiosques se abateu sobre este estaminé. Passavam alguns minutos sobre a hora que agora não me lembro quando a cerca de 2.500 metros acima do toldo que ostenta as bonitas palavras “Quiosque Praça 8 de Maio” se formou sem aviso prévio aquilo que se designa por “tempestade do caraças”.

Para tornar ainda mais trágico este 11 de Setembro dos quiosques é preciso recuar 10 horas no tempo. E o que se passou 10 horas antes da tragédia? Nada de especial: estive preso. Desconheço as razões que me levaram para a choça e quanto tempo lá permaneci. Aproveito apenas a oportunidade que me é aqui concedida para me declarar inocente.
Entretanto fui libertado. Lá fora esperavam-me dois amigos, que ao invés de correrem para os meus braços, manifestando o seu apoio neste momento tão complicado da minha vida, piram-se mal me vêem.
O despertador tocou à hora de sempre e deixei assim de ser um ex-recluso, pronto a recomeçar uma nova vida, e volto a ser o não-recluso que madruga para ir abrir um quiosque. Como dizia o coiso, a vida é feita de recomeços. Mas não foi o caso.
Ora, se às 3 da matina me encontrava prisioneiro por um crime que não terei cometido, horas e tal mais tarde estava feito prisioneiro numa solitária de 6 metros quadrados, rodeado de jornais, revistas e bolsas de praia que este verão não se venderam. Aproxima-se a tal tempestade, que numa primeira fase ignorei e que numa segunda e terceira fase me obrigou a levantar o cu da cadeira e recolher algum material mais sensível a ventos e chuvas de intensidade mais atrevida. Na quarta e quinta fase, toda a estrutura que supostamente resguarda as vitrinas norte e sul perde o controle da situação. Em linguagem simples e directa, chove dentro da vitrina sul, mais concretamente na zona da culinária. Em 2 minutos, o borrego da capa da Teleculinária transforma-se em ensopado de borrego e a sopa de feijão da Cozinha Regional nº58 passa a ser feijão com água. Em 3 filadas de revistas, não há cozinhado que resista. Tento salvar o pouco que resta. Há revistas afogadas no chão, molas que saltam para o vazio e um não-recluso a tomar um monumental banho junto à vitrina sul do quiosque.
Da parte da tarde, quando o sol já brilha, está montado um lindo estendal de revistas de culinária nas traseiras do quiosque. É aguardar que sequem para depois passarem pelo ferro de engomar.
Tento consolar-me junto dos meus familiares (sim, já que os amigos me abandonam nas horas mais difíceis, levados pela onda populista que me acusa de crimes que não cometi). Em vão. Tenho um furo no pneu do carro.

Medo. Muito medo do 11 de Setembro dos quiosques.

P.S. - optei por não inserir fotos para não ferir a sensabilidade de alguns clientes de revistas de culinária.

publicado por ardinario às 09:03
link do post | comentar | favorito
2 ardinarices:
De Anónimo a 15 de Setembro de 2014 às 13:39
foi para a figueira o meu azar?

cruzes!!!!

o ano passado muita revista molhada e muiiiiiiitos pneus furados, este ano bomba de óleo nova....presa não estive mas este ano nunca se sabe, até dezembro tudo pode acontecer...

melhores dias 11 para si e para mim



De Diogo Santos a 19 de Setembro de 2014 às 22:38
Encontrei este blog por acaso e, de facto, já o li quase de uma ponta a outra. Tenho 23 anos e gosto muito do contacto com o cliente. Considero que é uma boa base para quem quer formar-se em Marketing e nunca pensei que um trabalho numa papelaria num centro comercial me ensinasse tanto. Revejo-me nas histórias que o senhor conta, nas peripécias, nos malucos que nos passam à frente, nos simpáticos que são demasiado simpáticos, etc.
Um bem haja por ter tido a ideia de criar este espaço... há quase dez anos atrás! Se, a essa altura, já pudesse trabalhar, sem dúvida que o teria feito só para me rir agora!
Podia ir deitar-me sem lhe dizer nada, mas de hoje não passa. Fico a contar com os próximos textos.

Boas vendas!


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links