Segunda-feira, 8 de Setembro de 2008

Ideias que morreram (1)

Ideia: Bolsa de um quiosque

Descrição: Sistema online de compra e venda de acções de jornais baseadas na variação das vendas no quiosque.

Desculpa?? Oh pá, imagina que o Publico vendeu em média 20 exemplares por dia durante os últimos 3 meses. Se o preço médio do jornal for de 1,00€, um título em bolsa do Publico tem um valor inicial de 20,00€. Se tu achas que o Publico vai vender mais que 20 por dia, deves investir na compra de títulos do Publico. E quem fala do Publico, fala de qualquer outro jornal.

Estou a ver. E como variam as cotações? Se as vendas subirem em relação à média de exemplares vendidos nos últimos 3 meses (ou coisa que o valha), a cotação sobe. Caso contrário, desce.

E se eu quiser vender acções? Vendes. Mesmo que não haja comprador. Isto não é uma verdadeira bolsa.

Mas estamos a falar de dinheiro a sério?? És parvo ou quê? Claro que não!

Nem prémios?? Talvez, talvez...

Mas espera lá... Como é que eu sei se um jornal vai vender mais ou menos? Porra que tu és chato, tanta pergunta, tanta pergunta... Há muitos factores que contribuem para a variação nas vendas: novas colecções, títulos bombásticos, acontecimentos importantes, brindes, e até o próprio estado do tempo, a época do ano ou a altura do mês.

Muito bem. E a ideia morreu porque... hmmm... porque o investimento era alto em termos financeiros e de tempo, para um retorno duvidoso.

Que lições tiraste desta ideia? ... Que raio de pergunta... Sei lá... Olha, eu não tinha ideia nenhuma de como funcionava uma bolsa de valores. Fui ter com o Rui Branco e ele teve a pachorra de me explicar o básico. Depois entusiasmei-me com a coisa, li meia dúzia de calhamaços sobre o tema e passei a jogar na bolsa.

A sério?? Ahahahah! E ganhaste alguma coisa? Mete-te na tua vida.

Só para terminar e não te chateio mais. Probabilidades de ainda colocares a ideia em funcionamento: 20%
publicado por ardinario às 11:46
link do post | comentar | favorito

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links