Quarta-feira, 2 de Maio de 2007

Jornal 1X2 (parte 1)

Era uma vez, há muitos, muitos anos atrás, uma equipa de futebol chamada Benfica.
Essa equipa, além de jogar à bola, fazia parte de um fantástico jogo de apostas de seu nome… totobola. (O leitor poderá alertar que o Benfica não jogava sozinho nesse jogo, mas eu poderei ripostar que colocar a cruz na vitória do Benfica não era mais que um mero exercício de rotina semanal, tal a certeza da vitória dos encarnados). Nesses tempos longínquos, sempre que o Benfica falhava, na semana seguinte havia jackpot no totobola. Certo e sabido.

Fez parte da minha infância passar alguns serões a jogar no totobola.
Depois de ultrapassar a fase da marcação aleatória das cruzes, antevendo desde logo uma forte apetência pelo totoloto, onde só por mera infelicidade nunca ganhei um tostão furado, debrucei-me com mais atenção sobre a constituição dos jogos de cada boletim. Aprendi rapidamente que havia ali um processo de lógica entre uma parelha de equipas e a colocação da respectiva cruz. A dificuldade, alertaram-me, estava em acertar no quadrado certo.
Não desisti perante tamanha adversidade e o meu entusiasmo redobrou… aliás, triplicou, quando que me foi comunicada a existência dessa maravilha que dava pelo nome de tripla, garantia de resultado certo, e que me fez sentir o menino mais felizardo do mundo, acabado de descobrir o grande segredo do totobola.
Colocando cuidadosamente 3 cruzes em cada jogo, excepto no do Benfica, claro, fui acumulando trezes em semanas consecutivas.
Curiosamente, a minha mesada mantinha-se inalterada. Nada que me fizesse abater, contudo. Comuniquei tal facto aos responsáveis pela minha contabilidade e foi então que acordei para a realidade: para ser declarado vencedor do totobola, tinha que haver um registo do boletim numa casa especializada. Mais. Foi-me imposto um limite para o número de duplas! E quanto a triplas, nem pensar!
Naquele momento senti que havia declaradamente um movimento organizado que me impedia de acumular ganhos no totobola. Mesmo assim fui à luta. Na semana que se seguiu, deixei o boletim em branco e aguardei serenamente pelo final dos respectivos jogos, levando à letra o famoso lema de João Pinto, “prognósticos só no final”.
Fiz um onze.
Na 2ª feira seguinte, assim que a entidade responsável chegou a casa, fiz-lhe chegar o boletim, para registo imediato. Em troca, recebi um sorriso e um exemplar do Jornal 1X2.

(continua amanhã)
publicado por ardinario às 17:43
link do post | comentar | favorito
1 ardinarice:
De Zezinando a 3 de Maio de 2007 às 18:12
Andas a precisar de férias.Nessa altura eras adepto incondicional do FCP.


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links