Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

A ORLANDA NÃO PERCEBE

Ter um quiosque é espectacular. É tão espectacular que não conheço ninguém que não tenha imaginado pelo menos uma vez durante a vida como seria estar um dia atrás da banca, que não tenha sentido vontade de saltar cá para dentro, espetar duas lambadas no homenzito do quiosque e experimentar esse misto de sensações de devorar jornais e revistas, carregar o seu telemóvel com 500€, levar para casa a colecção completa do Game of Thrones e voltar a trazer como se o invólucro nunca tivesse sido violado, ou completar a caderneta do Mundial 2010 à custa do senhor que deixou como herança ao quiosque os seus milhões de repetidos depois de lá gastar 750€ em saquetas. Não conheço. Daí a espectacularidade da questão.

No entanto – e este “no entanto” mata-me – há algo no quiosque que me incomoda, algo que chateia, algo que arrelia. No fundo, algo que não me deixa dormir, e que é precisamente isso: o quiosque não me deixa dormir.

O sacana abre às 8, e por muito que se tente negociar com a clientela, por muito que o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Madrugadores de Quiosques reivindique as minhas exigências perante o patronato, nunca se chegou a um entendimento razoável para as partes envolvidas. É às 8 e ponto final.
Como deve ser fácil de entender, toda esta situação acarreta graves implicações sobre a minha pessoa. Uma pessoa de bem, de trato fácil, com espírito solidário e que pratica a caridade, mas uma pessoa que também precisa de dormir.
“Deita-te mais cedo”, diz-me a Orlanda. Não dá, Orlanda. A Orlanda não percebe que preciso da paz da noite para descomprimir dos clientes do dia como a Orlanda?
A Orlanda não percebe.
Como se não fosse suficientemente trágico ter que levantar tão cedo – levando inclusivamente a perguntar-me, na hora que toca o primeiro despertador, “mas porquê um quiosque??” - há dias sonhei que estava a dormir. Enquanto dormia no meu próprio sonho, tocou o despertador do sonho e eu tentava, sem sucesso, levantar-me. Até que finalmente percebi que era tudo um sonho e podia continuar a dormir, desde que conseguisse mudar de sonho. Não só não consegui como não voltei a adormecer: dez minutos mais tarde tocou o despertador real. O que me levou a perguntar “mas porquê um quiosque??”. Nem me respondi. De madrugada, assim que o despertador toca, que ninguém fale comigo.

publicado por ardinario às 15:50
link do post | comentar | ver ardinarices (1) | favorito

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links