Sábado, 26 de Novembro de 2011

Uffffffffffff

Passei o último mês a cumprir o memorando da troika dos quiosques. Até há um mês atrás, o meu gestor de contas só era capaz de me informar quantos jornais tinha vendido, quantas revistas tinha vendido, quanto tabaco, etc... Isto porque o meu gestor de contas tinha o seu trabalho mal organizado. Tive que o ensinar a trabalhar como deve ser. Os 4.500 artigos que já cá puseram os pés estavam divididos em 5 ou 6 famílias distintas, o que limitava e muito a informação ao meu dispôr. Agora ele já me diz quantas publicações pornográficas se venderam entre 27 de Julho e 8 de Agosto, entre outras coisas menos importantes.

No fundo, dividi os 4.500 artigos em 52 categorias diferentes, em que metade delas são revistas. Os resultados são, em alguns casos, supreendentes, especialmente para mim.

Tomei em consideração os últimos 12 meses de vendas.

- 1/3 dos lucros, mais propriamente 32,50% (e não vos quero enganar, lucros aqui significa apenas "antes de incluir as despesas fixas") vem do tabaco convencional.

- Metade dos lucros (precisamente 50,02%) vem do tabaco e dos jornais diários.

- Se incluirmos tabaco (convencional e de enrolar), jornais (diários e semanários) e revistas semanais, o lucro representa 2/3 do total (66,97%)

- Somando as % das categorias que mais contribuem para o bolo total (tabaco, jornais, revistas semanais, livros, dvd's, pastilhas, material de enrolar, coleccionáveis e cartões telefónicos), chegamos aos 81,44%.

- O que é que resta? Basicamente, as revistas de publicação mensal: a sua soma significa pouco menos que 10% dos lucros. E as restantes categorias, que somam igualmente os 10%: cadernetas, cromos, brindes diversos, selos, artigos de papelaria, cd's, vinhos, mapas...)

 

O que está a correr mal? Simples. Mais de 50% do espaço do quiosque é ocupado por publicações que não rendem mais que 10% dos lucros (revistas mensais). Pior: as laterais do quiosque, espaço de excelência para exposição de produtos, estão ocupadas por esta malta.

 

Isto merece uma reflexão. Ou duas. Já venho.

publicado por ardinario às 13:54
link do post | comentar | ver ardinarices (3) | favorito

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links