Terça-feira, 17 de Janeiro de 2012

Uma raspadinha

Tem acontecido por estes dias um fenómeno curioso que deverá merecer a atenção das entidades competentes ou até mesmo um post no facebook por parte do senhor Presidente da República: existe uma procura desmedida por raspadinhas. Personalidades de todas as idades e feitios (personalidade=pessoa que se aproxima do quiosque num raio de 5 metros), a um ritmo diabólico e mostrando por vezes alguma ansiedade, parecem estar a chegar à conclusão que a raspadinha merece um investimento mais atrevido.

Duas más notícias. A primeira má notícia é que não tenho raspadinhas para vender, defraudado assim milhões de pessoas e accionistas. A segunda má notícia é que não há boas notícias a retirar deste estranho fenómeno. Nem explicações. Tenho percorrido a concorrência mais próxima em busca de pistas. O Sherlock Holmes que há em mim relata-me que não há quiosques a fechar, que os que sobrevivem continuam a vender raspadinhas a um ritmo normal, que não há prémios milionários para raspar, e que os montantes de resgate de certificados de aforro se encontram estabilizados. Assim de repente, não há motivos óbvios que levem os milhões de clientes que diariamente aqui passam, a querer raspar desalmadamente, como se o mundo fosse acabar no dia 21 de Março de 2012 às 18:30 hora de Lisboa (previsão minha).

Portanto, fica aqui o alerta para sociólogos e afins. Há malta a investir forte na raspadinha, essa malta escolheu este quiosque para manifestar essa vontade, essa vontade não apresenta sinais de abrandamento, esta falta de sinais de abrandamento ainda não me convenceu a investir forte na venda de raspadinhas, esta possível venda de raspadinhas poderá chocar com aquelas pessoas que aqui vêm pedir-me uma rapidinha, e agora não posso continuar porque uma senhora que não fala e que me pede as coisas por gestos, precisava de lenços de papel e acabou de assoar-se nas próprias mãos. Vou ali morrer e volto mais tarde.

publicado por ardinario às 11:12
link do post | comentar | favorito
3 ardinarices:
De Cantinho da Ni a 17 de Janeiro de 2012 às 12:22
Olha que eu já fui viciada na compra das raspadinhas lol e cheguei a ganhar um belo prémio. Muito bom o que acabei de ler. Também "morri" mas de tanto rir :D


De ardinario a 17 de Janeiro de 2012 às 22:12
Não, não, não. Quem morreu fui eu. Morres para a próxima, ok? :D
EU devo dizer que nunca raspei na vida.


De Cantinho da Ni a 20 de Janeiro de 2012 às 15:04
Ok eu morro para a próxima :)) Tens que experimentar "raspar". A sensação é indescritivel :D


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links