Terça-feira, 23 de Agosto de 2011

Apanhado com o débito directo nas mãos

O episódio que se segue, que vou tentar reproduzir da melhor forma possível, passou-se há cerca de uma semana. A tentação foi deixá-lo escrito para a eternidade assim que o genérico começou a passar em rodapé, mas uma boa dose de precaução levou-me a ter que aguardar um razoável espaço de tempo, não fosse a coisa passar num qualquer programa de apanhados na tv. Parece que não aconteceu e como tal vamos a isto.

Protagonistas: eu, um velhinho na casa dos 80 e sua factura de electricidade.

 

V80 – Boa tarde, é para pagar esta factura

A – Sim, senhor. (…) Mas olhe... esta factura é paga por débito directo...

V80 – Débito directo? Ok, pode ser.

A – Não está a perceber... É paga através da sua conta bancária.

V80 – Da conta bancária... hmmm... Não há problema, pode proceder ao pagamento.

A – Pois, mas eu não posso proceder ao pagamento. O seu banco é que vai buscar o dinheiro à sua conta para efectuar o pagamento.

V80 – O meu banco é que faz o pagamento?

A – Não, o senhor faz o pagamento da factura através da sua conta bancária.

V80 – Então tenho que ir ao banco...

A – Não, não é necessário. O banco tira-lhe o dinheiro da factura automaticamente.

V80 – Ai é?

A – É.

V80 – Mas tenho que ir ao banco para eles pagarem automaticamente?

A – Não, o senhor já deu autorização para lhe retirarem esse dinheiro...

V80 – Como é que você sabe??

A – Eheh... Como lhe hei-de explicar isto?... O senhor paga esta factura através do sistema de débito directo. Isso significa que deu autorização ao seu banco para lhe retirar o dinheiro referente ao valor dessa factura.

V80 – Pois, compreendo... Então não tenho que pagar nada.

A – Bem, o senhor vai pagar essa factura, mas não tem que a pagar aqui porque...

V80 – Então tenho que ir ao banco!

A - (…) Pois, se calhar é melhor ir ao banco que eles lá explicam, são pessoas muito prestáveis e com uma paciência sem limites...

V80 – Então vou lá, aproveito e pago a factura.

 

Depois a coisa entrou em loop. As mesmas perguntas sucediam-se a um ritmo diabólico, enquanto eu punha a cabeça de fora à procura das câmeras.

publicado por ardinario às 13:00
link do post | comentar | favorito
2 ardinarices:
De Cantinho da Ni a 23 de Agosto de 2011 às 15:28
Tu tens "potes" de paciência... É o que vale :)


De lilith a 11 de Outubro de 2011 às 12:43
Não posso deixar de comentar!!!
Muito bom!! Nem os apanhados teriam feito melhor :P


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links