Terça-feira, 7 de Junho de 2011

Os vice-vencedores

Há várias leituras que se podem fazer destas eleições. Há muitas, aliás. Imensas. Um mar de delas. Dentro desta infinidade de leituras, várias ilações se podem tirar. Muitas ilações. Charters de ilações. No enorme subconjunto de ilações existem dois tipos de abordagem: a abordagem centrada nos vencedores e a abordagem centrada nos derrotados.
Se o tempo de antena me permite vou então debruçar-me sobre a abordagem dos derrotados (ou vice-vencedores, como queiram). E dentro dos derrotados podemos seguir um de dois caminhos, e eu vou optar por um desses caminhos embora não faça questão de esclarecer os leitores sobre a conjuntura desses caminhos, acima de tudo porque este parágrafo está a tornar-se um parágrafo cheio de coisa nenhuma.

 

Pois bem, na minha opinião, válida para qualquer círculo eleitoral - e reparem que estou mesmo na base da hierarquia das leituras políticas-, houve dois grandes derrotados.
Um deles fui eu. Não me lembro da última vez que falhei uma votação, mas sei perfeitamente que nunca acertei no lado vencedor. Já fiz muita cruzinha durante a minha vida de eleitor no activo e nunca tive o prazer de chegar ao final do dia da eleição e sorrir para mim mesmo: “Olha… ganhámos!”. Se por um lado tal constatação me deixa absolutamente frustrado, por outro faz-me pensar que as coisas estão como estão porque o povo não segue as indicações que eu deixo no meu boletim de voto. O que me deixa ainda mais frustrado, ao ponto de ponderar seriamente apresentar a minha demissão como eleitor, entregando o cartão na junta de freguesia.


O outro grande derrotado da noite foram as sondagens. As sondagens colocaram-me numa posição extremamente desconfortável enquanto vendedor de jornais. Pela segunda vez na vida do quiosque temi pela estreia do livro de reclamações (a primeira foi quando convidei uma cliente a escrever no livro de reclamações, ela ir ao carro buscar uma caneta e não voltar para escrever a história). Basicamente, andei a vender aldrabices com margem de erro. Pela primeira vez votei numa sondagem, e para não variar... perdi. Sinto-me, pois, enganado pelos produtos que eu próprio vendo, o que não deixa de ser um duro golpe na confiança que passo aos meus clientes. O papel das sondagens, depois destas eleições, fica ali no cantinho inferior direito, por baixo do boletim meteorológico. Ou nas páginas centrais do Jornal 1X2. E de preferência, publicadas apenas depois de conhecidos os resultados finais.

publicado por ardinario às 11:14
link do post | comentar | favorito
1 ardinarice:
De Cantinho da Ni a 8 de Junho de 2011 às 11:39
:) Adoreiiiiiiiiiii...


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links