Terça-feira, 10 de Maio de 2011

tá quieto ó mau

Este quiosque tem muito orgulho em contar no seu plantel com o cliente mais astronomicamente agressivo/estratosfericamente brutamontes/politicamente desagradável/estupidamente ofensivo/invariavelmente espalhafatoso/não sabe/não responde do mundo dos clientes de quiosques.


Já por aqui foi referenciado várias vezes e de cada vez que é chamado a este espaço as suas especialidades estão ainda mais refinadas e desenvolvidas que na chamada anterior. Não admira por isso que na parte que me toca todas as cautelas sejam poucas de modo a manter a sua identidade inalcançável e as minhas trombas intactas. Será uma grande chatice para mim e para as pessoas que me amam se algum dia o homem sonha que o parágrafo ali em cima foi escrito em sua memória. Acrescento, antes de irmos em frente, que é nestas alturas de grande nervosismo e pressão que se revela o lado “supersticioso que há em nós”. Se me dão licença eu vou ali vestir a minha t-shirt da sorte (“i wish i was a porno star”) e depois sim vamos em frente.

 

Não há muito a dizer. Eu vou passar a palavra ao senhor, tentando ser o mais fiel possível ao seu discurso, mascarando o que há para mascarar (há meninas novas a ler isto, ok?), mas deixando já o alerta que as suas actuações ao vivo, normalmente entre as 12 e as 12.30 e dependendo sempre da manchete do correio da manhã, são seguramente muito mais intensas e inesquecíveis que a gravação em estúdio que se segue:

 

“Ó Pedro, já viu isto? Este c****** tenta matar a mulher e não consegue. Agora tá f*****. Tá f***** porque além de tar f***** não se livrou da mulher. F***-se, há gajos que não sabem mesmo fazer as m****s. Há gajos que não têm mesmo jeitinho nenhum para isto.

(…) Ó Pedro, eh pá… se há m**** que me deixa f*****… já viu aquela m****, olhe práquilo… pá, se há m****s que me deixam f***** é ver gajos com o cabelo… como é que se chama aquilo… é pá… com o cabelo amarrado! Mas porquê, c******???!!!... Era chegar lá ao pé do gajo e puxar-lhe por aquela m****, e abanar-lhe aquilo e o c****** até o gajo ficar estendido no meio do chão. F***-se… há dias vi um velho assim, um gajo de cabelos brancos de cabelo amarrado. F***-se!!! O cabrão do velho ainda me lembro, ficou-me a dever 300 contos, o cabrão!! E depois há uns dias vejo o gajo de cabelo amarrado e a passear de jipe, o filho da p***!!! Pra pagar 300 contos (ou euros, ó c******) tá quieto ó mau. Para passear de jipe e amarrar o c****** do cabelo… já viu ó Pedro, o filho da p****!!!”

publicado por ardinario às 22:34
link do post | comentar | favorito

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links