Domingo, 8 de Maio de 2011

Comunicação ao país

Sucedem-se, a um ritmo bastante interessante, as comunicações ao país, sejam do presidente da república, do primeiro ou do último ministro. Se de um lado chove, do outro lado troveja. Se um diz o que não vai acontecer, o outro dá instruções para que não aconteça

As comunicações ao país tornaram-se aborrecidas. São uma espécie de empate a zero entre os últimos classificados do campeonato distrital de Beja, com a diferença que antes da comunicação ao país já sabemos que vai continuar tudo a zero. As comunicações ao país banalizaram-se e não trazem nada de novo, nem no conteúdo nem na avaliação ao carácter de quem as comunica. A parte mais entusiasmante da comunicação ao país é o antes da própria comunicação ao país, em que se tenta adivinhar o que vai ser comunicado, para que lado o comunicador vai estar virado e quantas vezes a palavra “dificuldades” vai ser comunicada. Na verdade, a comunicação ao país já esteve mais longe de entrar como aposta na bet and win.

Muito bem. Como responsável pela comunicação de comunicações à clientela do quiosque, está chegada a hora de comunicar a seguinte comunicação.


Caros clientas e clientos,
Como é do conhecimento público, os quiosques e demais estabelecimentos comerciais atravessam algumas dificuldades. Sabemos que estas dificuldades se estendem a inúmeros sectores da nossa economia, mas vamos deixar que esses sectores emitam os seus próprios comunicados a reivindicar as suas próprias medidas em nome das suas próprias preocupações.

Pois bem, estas dificuldades estão inerentes ao facto de circular por aí uma crise financeira de proporções a tender para o assustadoras. Não vamos dizer que não há crise financeira. Parece mesmo que há, a julgar pelo número de comunicações ao país. Mas não vamos fazer disso a maior das tragédias nacionais.

Há menos dinheiro a cair nas vossas carteiras, compreendemos isso. Mas não vamos deixar de ir ao quiosque por causa de tal problemática, ok? Todos temos que fazer sacrifícios, e esta é altura para unirmos esforços e de fazermos opções sensatas. O que é uma bola de berlim ao lado de uma TV Guia? Um bilhete de cinema ao lado do Expresso? Uma gorjeta para o arrumador ao lado de uma Trident Fresh? E um fim-de-semana no Algarve ao lado da colecção completa de bombardeiros da segunda guerra mundial? Hum??? Não vamos castigar que não merece, pois não? O quiosque é pequenino e jeitosinho, todos concordam. O quiosque é acolhedor (quando chove, aquele super-toldo em forma de nave espacial dá um jeito enorme; quem nunca se abrigou lá de baixo que atire o primeiro Diário de Notícias). O quiosque não cheira mal (ok, às vezes cheira mas eu acho que já sei quem é o cão responsável). O quiosque até que é limpinho, apesar da manutenção ser feita por dois seres humanos do sexo masculino. O quiosque até já foi a vossa casa entregar o jornal (pronto, depois houve malta a abusar, a pedir o produto “para as 9:37 e já agora traga-me um saco que a dona Rosalina vai deixar para mim no restaurante que fica ali perto do talho”). O quiosque sempre manteve o vosso anonimato nas histórias que fizeram as delícias dos nossos leitores. Hum???
No fundo, o quiosque sabe que quanto menos vende, mais tem que devolver. Isso implica mais trabalho e nós não queremos ficar conhecidos como o ramo de actividade que quanto menos vende mais trabalho tem. Nós não queremos de forma alguma criar mais um posto de trabalho só porque está a sobrar mais tralha para devolver.
Portanto, voltamos a repetir, o lema é “unir esforços para não deixar de ir ao quiosque”, ou se preferirem “vamos primeiro tratar das dificuldades do senhor do quiosque e depois logo se vê”.

Boa noite.

 

O responsável pela comunicação de comunicações

publicado por ardinario às 01:08
link do post | comentar | favorito

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links