Quarta-feira, 27 de Abril de 2011

Post P

É suposto que um indivíduo que venda qualquer cócó tenha um razoável conhecimento sobre o cócó que está a vender. A afirmação é válida para quase todas as áreas de negócio, excepto talvez no negócio da política. Os políticos sabem vender, isso não está em causa, mas não sabem o que estão a vender, embora saibam que não sabem o que estão a vender. Na realidade, eles compram enquanto vendem.

Confuso? Não interessa. Onde eu e a minha equipa de vendas queremos chegar é que nós sabemos o que vendemos... mas só até certo ponto. Quando um cliente dá com as trombas na banca é inevitavelmente comido pelas capas das revistas do dia, que passaram directamente do departamento de contagem para o lado de fora do quiosque, sem passar pelo olhar curioso dos vendedores, que têm mais que fazer que andar a meter o focinho em vida alheia. Isto significa que embora nós saibamos que lá fora estão revistas, e tenhamos umas noções básicas sobre o seu processo de fabrico, desde o abate da árvore até ao seu acondicionamento e distribuição, nós por cá falhamos redondamente ao nível do conhecimento e cultura geral que tais produtos nos oferecem. E falhando nesta vertente, falhamos no diálogo que tão nobres clientes nos propõem, essencialmente sobre o conteúdo e forma da dita cuja.

Há dias passei por uma vergonha por não conhecer Fulana F, que entrava na Telenovela T e que andava metida com o Engatatão E. Tudo isto se passava na Revista R, que eu e os meus vendedores chutamos para a Banca B todas as santas semanas. Era mais que evidente que o Cliente C queria conversa sobre o assunto, mas não havia maneira do Vendedor V dar troco. Inevitavelmente, tal vendedor teve que ouvir o que sabia que um dia iria ouvir: "então você não sabe o que está vender, homem??".

Eu não sabia. Aliás, o Vendedor V não sabia. E Cliente C ficou de tal forma indignado com tamanha ignorância que não levou a parva P da revista.

O Vendedor V levou uma esfrega do Chefe C. Agora anda com mais atenção ao conteúdo. Já sabe até que um tal de Williams vai casar com uma Kate numa ceriminónia muito importante, que a Julia Pinheiro está de rastos, cansada, mais magra e sem tempo para a família, que a Zé está numa tribo, e que há um concurso de gordos na televisão. E o resto é conversa.

publicado por ardinario às 11:10
link do post | comentar | favorito
2 ardinarices:
De Catarina a 2 de Maio de 2011 às 12:20
Pronto, deixei de poder mostrar o blog ás minhas filhas....


De ardinario a 2 de Maio de 2011 às 22:15
Pronto, já podes mostrar às meninas ;)


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links