Terça-feira, 12 de Abril de 2011

Portugal é um 386

O computador já teve muitos donos. O que o comprou conseguiu um financiamento muito jeitoso e equipou-o à maneira. O seguinte foi embora assim que apareceu o primeiro écran azul. Veio então um novo dono que o largou assim que o tio emigrado lhe ofereceu um melhor, e o irmão mais novo ficou entusiasmadíssimo quando lhe o passaram para as mãos. Mas o rapaz não sabia mexer na coisa e veio um tipo que não era da família e ficou-lhe com aquilo.

"Aquilo" é um daqueles 386 do início dos 90, com leitor de disquetes e carregado de portas paralelas. O dono actual tenta à força fazer correr o windows 7, apesar dos sucessivos avisos que aquilo não vai dar, que não aguenta. Mas o dono é teimoso. Os técnicos fazem-lhe ver que não será má ideia fazer um upgrade à motherboard, à placa gráfica e aumentar aos poucos a memória. E o dono responde que o computador está óptimo, não precisa nada dessas reformas, dá perfeitamente para ir fazendo os trabalhos para os amigos do prédio da esquerda. O vizinho do prédio da direita, que também quer ficar com o computador, diz que sim, que consegue fazer correr o windows 7, que só precisa de substituir o leitor de disquetes por um leitor de cd's de 4 velocidades. Ele também precisa do computador para fazer uns trabalhos para os seus amigos, mas acha que é melhor mesmo chamar um técnico para ver o que se passa com o equipamentp. O dono diz que não, que o computador é frágil e "os técnicos ainda vêm fazer pior, isto basta limpar-lhe o pó uma vez por mês e subsituir as peças que se vão estragando. Não seja tonto, vizinho". "Mas ó vizinho, as peças que o senhor está a comprar já são consideradas antiguidade! São caríssimas! Ouça o que lhe digo: isso precisa de um leitor de cd's de 4 velocidades e... pronto, talvez precise também de mais 1 mega de memória".

O tempo foi passando e deixou de haver dinheiro, tanto para subsituir as peças antigas como para comprar leitores e memórias de 1 mega. Os vizinhos chatearam-se, até que o computador avariou de vez, e na impossibilidade de comprar um novo, o vizinho do prédio da esquerda decidiu, em desespero, chamar um técnico para arranjar o velho 386.

O técnico já chegou e vai tentar compor o bicho. O técnico é um safadão que cobra balúrdios, mas o único no mundo que sabe arranjar um velho 386. Iniciado o trabalho de recuperação, o técnico depara-se com o caos. Apenas a pasta "amigos" está organizada. Mas repleta de virus. E dentro da pasta "povo"... um enorme vazio.

Portugal é um 386.

publicado por ardinario às 21:31
link do post | comentar | favorito

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links