Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

isto passa

É relativamente previsível atender três clientes malucos consecutivamente. Estatisticamente falando, mais que previsível, é tão certo como o meu gato se chamar Messi da Silva. Pior. Mais certo ainda que serei eu a antendê-los, o que significa que os malucos saem à rua logo pela manhã. Sociólogos, apanhem esta.

 

(Peço atenção, que quando digo malucos, não me refiro a humanos com nítidas incapacidades para processar pensamentos sensatos e agir de acordo com. Também os há. Só não aparecem é com muita frequência. Para mim malucos são humanos com desvios significativos ao nível global, estejam eles em qualquer zona do seu lindo corpo. Mas a origem parte sempre da zona cinzenta do cérebro, admito, e agora vamos em frente, que o parêntesis vai longo... Por exemplo, é usual senhoras de bigode - eu sei que está na moda - comprarem a Maria e a Telenovelas, isso para mim é ser maluco. Outro caso de maluquice pura é sair à rua de robe e chinelos e fazer 200 metros para vir buscar tabaco para o marido que está na pesca; eu sei que são 200 metros porque sei onde vive a senhora de robe e chinelos e estou até curioso para um dia a ver de calças de ganga e bota até ao joelho. Eu podia ficar aqui o dia todo a falar de malucos, como aquele que fica especado a olha para mim durante 10 minutos, balouçando ligeiramente e de forma ritmada ambos os pés, sem nunca abrir a boca até que à 3ª tentativa de lhe sacar 3 euros e tal por um maço de tabaco, ele abre a boca e pede um maço de tabaco. E agora que já batemos o record do mundo do parêntesis, maluco maluca é a lady que compra pornografia para o marido, que ele anda insuportável desde que deixou de fumar)

 

Dizia eu que qualquer coisa como receber malucos é uma honra e um tiro certeiro na rotina. O que me faz mal, e vai contra todos os dados estatísticos que um dia hei-de levantar, é apanhar em simultâneo com: o velhinho que insiste em dar trocado e conta e reconta tudo, até chegar o segundo velhinho que me está a contar em capítulos (vamos no 13º) a história da vida mas que se perde na conversa e salta para a história da vida do primo e do tio-avô, tudo isto até que chega o 3º velhote e me faz um filme do caraças durante um tempo interminável, a pedir para trocar o Contactos Íntimos pela Semana Erótica, que ele anda nervoso porque deixou de fumar e a velha dele fez confusão nos títulos quando me pediu pornografia para o marido, que é ele próprio. Juntar isto tudo no mesmo intervalo de tempo é estatisticamente quase impossível. Portanto, o meu problema é velhinhos. Isto passa.

publicado por ardinario às 11:10
link do post | comentar | favorito
1 ardinarice:
De Cantinho da Ni a 11 de Fevereiro de 2011 às 12:17
Passa pois...Vamos ver é se não dás em "maluco" entretanto. Não é dificil, com tanta gente "maluca" que atendes por dia lol


Comentar post

.ardinario

RSS

.Vieram cá parar

.posts recentes

. A ORLANDA NÃO PERCEBE

. O PERFUME QUE ERA MEU

. O 11 DE SETEMBRO DOS QUIO...

. 3000 METROS OBSTÁCULOS

. Abra-se o livro!

. A vida dá muitas voltas

. À atenção dos accionistas...

. QUIOSQUE QUE LADRA NÃO MO...

. Última hora!

. O CURSO DE LÍNGUAS E O RO...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2013

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.links